Seu cachorro late, uiva e destrói sua casa enquanto você está fora?

Se você tem um cachorro, não seja egoísta. Deixe de fazer festa pra ele quando chega e quando sai de casa.

Esse comportamento só alimenta a ansiedade do cachorro e em determinados casos pode piorar o que se chama de Ansiedade de Separação.

Como não conseguimos fazer o cachorro entender a que horas voltaremos, ele fica esperando o tutor voltar a todo instante.

Sabe aquela situação clássica que a pessoa tem um primeiro encontro maravilhoso com um paquera e na despedida a pessoa diz: “eu te ligo”, mas não especifica quando? Aí a pessoa não desgruda do celular nem do telefone, e fica brava quando alguém liga e fica ocupando a linha? Vai que o paquera liga nessa hora, ouve o sinal de ocupado e desiste de ligar de novo. Pois então, é mais ou menos assim com o cachorro.

Em alguns casos a ansiedade chega a tal nível que o cachorro late e uiva para chamar o tutor, pega objetos ou sobe em móveis que o fazem lembrar do tutor, e como cachorro não tem mãos mas usa a boca para pegar as coisas, junta o nervosismo e pronto! Resultado: móveis esculpidos, travesseiros destruídos, roupas e sapatos rasgados, revistas e livros despedaçados, isso se ele não destruir as portas e janelas tentando escapar. Pode ficar bem perigoso para o próprio cachorro.

Se você tem um cachorro que já chegou nesse nível, a primeira coisa a fazer é seguir a etiqueta canina e não dizer “OIIII!!!! CHEGUEI!” ou “Tchau. Já volto. Fica bonzinho.”, etc. E não só deixar de dizer, mas também não demonstrar a SUA ansiedade de se separar do bicho, de deixá-lo sozinho em casa, sem saber o que ele pode aprontar.

Percebe como é um ciclo vicioso? E você tendo consciência disso pode fazê-lo parar.

O correto é sair e chegar como se fosse a coisa mais normal do mundo (e não é?). Não se dirija ao cachorro, nem mesmo olhe para ele. Ignore-o totalmente. Pode parecer falta de educação pra você, mas para o cachorro não é e ele ficará mais tranquilo e se sentirá melhor assim.

Mesmo os cachorros que não sofrem de Ansiedade de Separação se sentirão mais confortáveis e seguros se você se mostrar entendedor de etiqueta canina.

Quer ver a dica num vídeo engraçado?

Se seu cachorro já estiver apresentando sinais de Ansiedade de Separação, deixando seus vizinhos enfurecidos, se machucando e deixando você preocupado com o que vai encontrar quando chegar em casa (se é que ainda vai encontrar alguma casa e não cacos e vestígios de que ela existiu), procure ajuda profissional. É um problema sério e pode até demandar uma medicação além da terapia comportamental/ adestramento, fundamental para a solução do quadro.

Ah! e NUNCA dê bronca quando você chegar em casa e perceber aquele CD preferido todo mastigado ou qualquer outra “arte” que ele tenha feito na sua ausência. Além de não ser eficiente porque o cachorro não vai associar a bronca ao que ele fez de errado, você estará alimentando mais ainda a ansiedade dele porque além de não saber quando você vai voltar ele também não saberá se sua reação ao vê-lo será de alegria, decepção ou raiva.

Tadinho!

Semana que vem a Alessandra estará de volta a este Blog. Espero que tenham gostado de variar o estilo.

 

 

Categorias: Adestramento, Comportamento animal, Novidades | Tags: , , , , , , , , | 2 Comentários

Seu gato faz as necessidades no lugar errado?

Gato fazendo Cocô

O momento sagrado

Você chega em casa e encontra o rastro do odor de urina e fezes por toda parte. O que passa pela sua cabeça? Que sentimentos esse acontecimento provoca em você? Existe aí no meio algum desejo de conhecimento?

Existem alguns fatores que podem facilitar e minimizar esses probleminhas. Se tratando de felinos, sejamos honestos, o odor é algo peculiar. Encontrar bombas felinas torna-se algo mais prazeroso que não conseguir encontrá-las. E eles não mestres na arte de esconder as cacas.

A dica que a Bicho separou pra vocês com nosso vídeo traz uma das formas de EVITAR o problema. E não é algo muito difícil se você já aprendeu a somar ;P

Gatos são animais MUITO LIMPOS e gostam muito de cobrir suas necessidades (fezes e urina). Um banheiro sujo é uma heresia para os felinos! Como se pode usar um banheiro que já tem um cocô por lá? Outra questão importante é a independência desses seres mágicos: eles querem a liberdade de poderem escolher o banheiro que vão usar no momento crucial da finalização da digestão: a eliminação!

Portanto, considere colocar vários banheiros espalhados pela casa. Mantenha-os limpos e, para não ter BO, sigam essa continha simples:

Você tem a liberdade de escolher não seguir essa dica. Fique tranquilo, seu gato lhe dará a resposta, hehehe.

Certo! Você pode dizer: “Ah não! Meu gato tem só uma caixinha e não erra!” Calma! Eu não disse que essa é uma regra fixa! Estamos falando de indivíduos e de espécie. Aqui abordamos o que é comum para a espécie e em consulta tratamos do indivíduo.

E o substrato do banheiro? Areia? Pedra? Terra? Granulado industrializado? Pelets de madeira? Serragem? Solicitamos apenas que você tenha o cuidado do material não conter componentes tóxicos, corrosivos ou de qualquer natureza danosa para o bichano e que mantenha limpo, livre de insetos.

Também tem o recipiente: dê preferência às caixas plasticas do tipo monobloco, mas já avisamos que os mais exigentes podem preferir uma toca. Então, se alterar o número de banheiro não for suficiente, considere comprar um banheiro privativo para o gato. Talvez ele apenas não esteja gostando da platéia no seu momento sagrado!

No caso de dúvidas e comentários, podem usar blog, facebook (curta no atalho aqui na sua esquerda), youtube ou twitter (@bixosempreguica).

 

Até a próxima!

Categorias: Comportamento animal | Tags: , , , , | Deixe um comentário

A Poltrona do Papai – quando o cão fica no meio do casal

Arquivo Pessoal

Homenagem ao meu Avô Izidoro e meu Pai Irto. Com a Babi, o menor mascote da família

Semana do dia dos pais!!! Parabéns papai pelo seu dia!!!

Pois é. E nós, que trabalhamos com comportamento animal, especialmente o canino, nos deparamos, muitas vezes, com situações inusitadas.

A família, o cachorro e a preferência. Ninguém dá limites ao peludo, na verdade cada um fala uma coisa, cada um quer uma coisa e todo mundo consegue dar um verdadeiro NÓ na cabeça do amigo canino.

Já houve vez em que a esposa, não mais querendo seu marido na cama (isso realmente não é algo raro, sejamos honestos), adorava que seu cão rosnasse para ele e o mordesse. Claro que chamaram um especialista para resolver isso, mas o treinamento não era algo feito rigorosamente, pois na realidade uma parte queria a solução e a outra não.

Numa dessas você pode estar pensando: ok, o único problema é que eles não terão mesmo uma solução e fim. Eu digo: não é bem assim.

Uma casa sem um norte, sem regras claras, gera um ambiente de ansiedade constante para o cão. Um ambiente assim pode ser desencadeador de uma série de problemas de comportamento e saúde. Não digo que sua casa deva ser um monastério budista, mas o mínimo de coerência pode lhe ajudar a sair de situações pra lá de desagradáveis.

No vídeo que preparamos para homenagear os papais que perderam o lugar pro Totó, mostramos uma face dessa relação doentia.

Certamente o problema não se restringirá ao cão. Pessoas inconstantes podem ter problemas de relacionamento com outros humanos inclusive. E é aqui que eu pergunto e afirmo: Você quer trabalhar com comportamento de animais de estimação? Então, além de saber de comportamento de bicho não-humano, é bom entender de comportamento de bicho humano. Vocês lembram da incoerência dessa moça aí com os filhos? Ainda não? Então clique aqui e veja agora o texto e o vídeo.

Resolver a questão de um cão que fica no sofá ou na poltrona, sempre no lugar de alguém específico começa sempre no estabelecimento de limites claros. Estes limites devem estar claros primeiramente para você e os outros moradores da casa para depois ser colocado para o cachorro. Já falamos sobre esse treino quando tratamos o assunto dos cães que sobem na cama. Vejam o treinamento simples que pode ser feito para evitar que o cão, inicialmente, deixe de subir no sofá ou poltrona.

O mais importante: QUANDO ELE DEIXAR DE SUBIR OU NÃO TENTAR SUBIR – RECOMPENSE!!! 

Caso “ficar no chão” não pareça suficientemente vantajoso para ele, logo voltará a subir nos móveis. Então:

  • deixe a caminha dele ao lado do sofá para que ele tenha um lugar fofinho e quentinho pra ficar.
  • toda vez que ele se recusar a subir: recompense com atenção e mesmo petiscos.
  • ATENÇÃO: JAMAIS recompense o animal que tentou subir, levou bronca ou foi frustrado e aceitou essa punição. Ele deverá ser recompensado apenas QUANDO RECUSAR-SE A SUBIR.

Essa regrinha é muito importante, senão o cão aprende a gostar da punição e você estará perdido…

É bem fácil:

  • fez a coisa certa? (recusar a subir no sofá) Ganha o que quer: atenção, carinho, petisco.
  • fez a coisa proibida? (subir ou tentar subir no sofá) Não ganha absolutamente nada, nem subir no sofá.

Você tem mais alguma dúvida sobre o treinamento? Então participe nos comentários aqui ou no FaceBook. Ainda não curtiu nossa página??? Olha aí do seu lado esquerdo e use nosso atalho!

E vivam felizes! Papais, mamães, irmãos humanos e irmãos caninos!

 

Grande abraço para todos os papais!

Bicho Sem Preguiça

 

 

Categorias: Adestramento, Comportamento animal | Deixe um comentário

Coprofagia! Ingestão de fezes! Ou melhor: Sim! Ele come cocô!

Assunto gostoso de discutir durante uma refeição, não acham? Eu, que sou veterinária também, preciso me controlar muitas vezes, pois acabei acostumando com esse tipo de papo pouco convencional à mesa.

Para os seres humanos, comer cocô é algo que está totalmente fora de cogitação, pensando num indivíduo mentalmente saudável. Entretanto, cães não são humanos e para eles o cocô tem outros significados.

Fezes comunicam várias coisas aos cães. Então eles costumam mesmo cheirar o cocô de um amigo para investigar o que ele andou comendo ou que tipo de cara deixou aquela marquinha ali. Ao cheirar o cocô, não quer dizer que seu cachorro está apreciando o odor para posterior ingestão, não se apavore. Ou seja, se seu cachorro costuma defecar e cheirar ou cheirar fezes de outros no passeio, não quer dizer que ele vá comê-las, isso faz parte da comunicação canina.

MAS fezes de outras espécies são iguarias  para os cães. Fezes de felinos são especialmente irresistíveis! Comer esses cocôs é um comportamento considerado natural. Canídeos podem comer fezes de outras espécies como parte de seu cardápio! Por essa razão e milhares de outras é impossível transferir para outras espécies nossos padrões humanos de comportamento – cheio de regras sociais que muitas vezes até se contrapõem à nossa natureza.

Se o seu cão come as fezes do seu gato, a solução é simples: deixe a caixinha do gato indisponível para o cão. Isso é fácil! Só colocar a caixa do gato num lugar alto, por exemplo. Dificilmente você conseguirá treiná-lo a não comer. Ele não vai conseguir resistir.

Se o cão come as próprias fezes, tem até algumas soluções:

Primeiro, se você quer começar certo, JAMAIS limpe as fezes na frente do filhote ou do seu cão. Se você já passou um tempão fazendo isso, pare de fazer e pronto. Senão poderemos ter isso:

Cães aprendem por imitação. Vê-lo mexendo nas fezes dele pode parecer divertido ou então, ele pode apenas ser um cachorrinho muito solícito e vai resolver ajudá-lo. E com que ele vai recolher as fezes se não tem mãos?

Outro ponto, é quando o cão não tem absolutamente nada pra fazer! O ócio produz coisas incríveis. Coisas boas, ou não. Depende do ponto de vista. Para os cães, que são animais de cativeiro, o ócio não é nada produtivo. Pode gerar uma série de problemas e aumentar a ansiedade. Quando o motivo é esse, normalmente o cão brinca com o cocô, leva pra caminha e espalha pela casa (isso é um indicativo, não uma regra). Neste caso, arrume coisas pra ele fazer (ideias neste post ou neste outro).

Para tratar um último aspecto da coprofagia que penso ser pertinente, podemos falar da disputa. Se o seu cachorro, por um acaso, perceber que você quer muito recolher as fezes dele, que você fica na espreita, de repente, agarra o cocozinho e some com ele. Se ele sacar qualquer tipo de disputa, o cocô automaticamente ganhará status de relíquia. Sabe a lei da oferta e procura? Então, ele vai lá, faz um cocozinho e, quando vira pra dar aquela cheiradinha, certificando-se que aquilo saiu dele mesmo, UÉ! Sumiu!

JAMAIS dispute fezes com seu cão. Quanto mais ninja você ficar em “recolhimento de bombas”, mais ninja seu cão ficará em “sumir com meu produto antes que ele pegue”. Brincadeiras à parte, todo objeto que é disputável deve ter algum valor e o cão percebe isso.  Neste caso, recompensar as fezes dando um petisco pode desviar o foco das fezes e não implicar em disputa. Depois que o cachorro se distanciar, feliz com um petisco, você recolhe o cocô longe dele.

Sobre produtos que impedem a coprofagia deixando as fezes com sabor desagradável (Rá! Piada!), não existe uma que seja eficaz. Melhor focar mesmo no treinamento.

Acho que chega de fezes por hoje. Espero que tenha sido útil.

Qualquer dúvida, usem os comentários! Aproveitem para curtir nossa página no facebook (atalho aqui do lado esquerdo).

 

Até a próxima!

Categorias: Comportamento animal | Tags: , , , , , , | 6 Comentários