browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Alimentação para papagaios

Posted by on 22 de outubro de 2011

Antes de começar a descrever o que penso sobre alimentação para papagaios devo alertá-los que estou longe de ser especialista em aves. Minha experiência se restringe a 1,5 ano de estágio no viveiro Manequinho Lopes na recepção de animais selvagens. Esse período foi muito rico para mim devido ao convívio estreito com muitas espécies de rapinantes, psitacídeos e passeriformes, observando sua alimentação e comportamento.

Também fiz um estágio com meu amigo, colega de profissão e hoje veterinário do zoo de Bauru, Lauro Soares, em um criadouro particular de animais silvestres em São Roque. Um pouco na clínica (não como veterinária, mas observadora), vendo os malefícios de uma alimentação desbalanceada para esse tipo de ave. Não que outras aves não sofram com problemas de alimentação, mas os papagaios são vítimas muito mais frequentes devido a uma série de mitos sobre eles, pelo modo que são adquiridos, e as orientações que os “compradores” recebem do “fornecedor”.  A pessoa que adquire um animal desses no mercado negro tem medo de ir a um profissional pedir orientações e acaba acreditando e perpetuando os tais mitos alimentares. Eles têm o medo de ser denunciado por portar um animal ilegal.

Primeira informação: veterinário algum se prestaria ao serviço de denúncia, pois o compromisso dele é com a saúde do animal. De forma alguma incentivando a prática do tráfico, peço que as pessoas pensem muito antes de adquirir um papagaio ou qualquer outro animal de um traficante. Nenhuma vontade pode ser maior que o cuidado pela liberdade e bem-estar de um animal. Saber dos males pelos quais passam os animais traficados e mesmo assim comprar um deles porque os legalizados são muito caros e você não tem dinheiro, desculpe a franqueza, mas é apenas a confirmação do tamanho do egoísmo humano, reflete o quanto ele preocupa-se consigo e com suas próprias vontades e não pensa no sofrimento alheio e no respeito à vida e à liberdade.

Se mesmo assim, você, ingenuamente tenha adquirido um animal de procedência duvidosa, rogo que vá a um profissional veterinário que trabalhe com aves, ouça as broncas, mas dê ao animal o tratamento correto, pois muitas vezes ao correr com ele doente depois de muitos erros primários, possa ser tarde demais. Muitos animais que chegam doentes na clínica veterinária são por fatores de erro de manejo, ou seja, a pessoa não sabia exatamente como tratar o animal, acreditou nos mitos e provocou o sofrimento no mesmo, muitas vezes por anos, como o cágado que recebemos certa vez no viveiro.

A vida daquele animal, 20 ou 25 anos, foi debaixo da cama da antiga tutora, comendo manga e alface, pois era simpatia para bronquite. Isso pra mim não é crença popular e não merece respeito… Isso é mau trato e no mínimo merece uma bela punição.

Outra informação que quero passar é sobre a alimentação dos papagaios. Papagaios são aves, psitacídeos, ou seja, na natureza eles voam e comem castanhas, sementes, frutas. Para isso que usam seu bico forte e curvado. Então qual a razão para cortarmos todas as penas desta ave, colocá-la numa gaiola ou dar-lhe café? Ou macarrão? Ou ainda alimentar o filhote com fubá e leite???? Aves não são mamíferos, não precisam e não devem tomar leite. Para cortar as penas de seu papagaio, leve-o ao veterinário, existe um jeito certo de fazer isso.

Na natureza, uma ave dessa voa muito e fica praticamente o tempo todo procurando o que comer. Dessa forma ela determina a variabilidade da dieta e faz muito exercício.

Quando elas estão em casa, sem tanto exercício, deve-se primeiro pensar que elas não precisam de tantas calorias como na natureza, senão podem engordar muito, além de ficarem com um mal no fígado chamado esteatose. Isso acontece quando existe muita gordura na dieta de um ser e pouco ou nada de outros nutrientes, suas células hepáticas acabam por sofrer degeneração (morte) por excesso de gordura. Um fígado esteatótico é aquele do frango que compramos no mercado, um fígado pálido e friável (esfarelento). Essa condição leva a inúmeros outros sintomas, como problemas nas penas e facilidade de apresentar outras moléstias como pneumonia. Em resumo, o sistema imunológico da ave fica debilitado e ela fica predisposta a uma série de moléstias. Tudo por um simples erro de manejo que poderia ter sido evitado com uma visita ao veterinário. Um biólogo também pode ajudar nessa questão alimentar.

Atualmente existe uma série de rações comerciais no mercado, mas nós da Bicho prezamos sempre por manter o direito do animal ter uma dieta natural, fresca e bem variada.

Na sequência, listarei ingredientes que podem e devem estar presentes na dieta de um papagaio, lembrando que não colocarei quantidades, pois não tenho conhecimento técnico pra isso. De qualquer forma, se a dieta do seu papagaio se restringe a amendoim, girassol, café, macarrão e biscoito, trocando isso pelos ingredientes abaixo já será um grande avanço.

Peço também aos leitores mais esclarecidos, que se tiverem alguma informação mais exata e puderem compartilhar, estarão ajudando vários animais a evitarem problemas simples de alimentação. Se também localizarem algum erro conceitual em meu texto apontem, estamos aqui para aprender.

É interessante sim, que papagaios comam sementes oleosas como castanhas, amendoim e girassol, mas elas devem ser oferecidas de uma a duas vezes por semana no máximo. Se esse tipo de semente estiver sempre no meio da comida, o papagaio, que não é bobo nem nada, vai separar somente elas para comer primeiro e não comerá as outras.

Das frutas, não é interessante oferecer abacate, pois ele também tem muita gordura e uma toxina que não sei se age nas aves também (papo para os especialistas). Vá oferecendo as frutas uma a uma do grupo das doces (manga, banana), das cítricas (laranja, mexerica), oleosos (coco) e observe as que ele mais gosta, anote e mais tarde varie os tipos durante a semana.

Faça o mesmo com os legumes, ofereça jiló, pimentas, pimentões. Ofereça verduras, menos alface e faça o mesmo. Se você gosta de dar algo diferente para seu papagaio, pode dar pipoca sem sal, sem exageros, feita sem muito óleo, com o mínimo necessário. Pode tentar oferecer outros grãos, crus e cozidos sem sal e sem tempero.

Foto: blog Papagaios & Cia.Uma terceira coisa é lembrar do enriquecimento alimentar e não dar tudo picadinho num potinho. Pense que na natureza esses animais fazem muito exercício e é indispensável que nós possamos providenciar ao menos alguma atividade para eles. Então se gostam de coco, dê com a casca, quebre o côco e dê uma parte da polpa grudada na casca. As frutas, dê a porção diária em algumas refeições (senão estragam e juntam insetos) com as cascas. Então se a porção diária é 1/3 de banana, corte a porção ao  meio com casca e ofereça. O mesmo pra maça, manga, etc. Alimentos mais fáceis de comer podem ser colocados dentro de canos de PVC furados para que a ave se esforce pra pegar. Liberte sua imaginação e só lembre que cada “brinquedo” novo deve ser introduzido sob supervisão, ou seja, fique admirando sua ave manipular o novo objeto para ver se não oferece a ela riscos. Cuidados especiais com materiais que soltam pedaços que possam ser engolidos ou que possam fazer lascas pontudas ou com corte.

Dessa forma você terá um animal muito mais feliz e saudável.

Participem! 🙂

Abraços!

Equipe da Bicho

14 Responses to Alimentação para papagaios

  1. Rosana

    Boa tarde!Por favor, preciso muito de uma orientação para não fazer nada errado. Caiu do meu telhado há mais ou menos 1 mês 3 maritacas ou periquitos verdes ainda nascendo as peninhas, como os pais não desceram no quintal para alimentar fiquei com medo que morressem de fome, dei papinha da Alcon na seringa, há uma semana eles começaram a comer frutas, mamão e manga, e um pouquinho de ração, como há uma semana eles começaram a voar, fizemos um viveiro bem grande e colocamos galhos de árvores, hoje eles estão voando muito bem neste viveiro. Nossa intenção é solta-los, em nosso bairro existem muitas destas maritacas e muitas árvores, e não queremos ver nossos bichinhos presos mesmo em um espaço grande. Minha pergunta é com quanto tempo posso soltar? Será que eles conseguem por conta própria comer o que encontra na natureza? Temos medo de demorar muito tempo para soltar e eles não se adaptarem na natureza. Se souber me avise porque estou com muitas dúvidas e meu coração preocupado se vou soltar eles para morrer, infelizmente vou sofrer muito quando soltar e queria fazer o melhor. Se puder me oriente.

  2. Alessandra Caprara

    Rosana,A soltura de animais que foram desde muito cedo criados na mão é muito complicada. Justamente pelo fato de não terem aprendido a localizar e buscar seu alimento não é possível saber o que poderia acontecer com eles. O outro lado é que não seria muito interessante manter esses animais em cativeiro pelo risco de alguém denunciar. Desde um vizinho até uma visita ou alguém que vá prestar serviço na sua casa e não conheça a história desses animais (soltos poderiam morrer).Lá no Ibirapuera tem a divisão de veterinária que recepciona animais da fauna paulista principalmente. O pessoal da veterinária os recepciona, os da biologia reabilitam e soltam depois de anilhá-los. Trabalhei lá 1,5 ano já tem um tempo, então o melhor seria mesmo ligar antes de qualquer coisa.Enquanto isso, verifique o quanto eles buscam o alimento, deixe cada vez menos óbvio e observe como eles se comportam no viveiro. Utilize canos de PVC e pedaços de galhos furados para dificultar o acesso aos alimentos. Você ainda pode ir atrás de árvores frutíferas, pegar galhos com frutos maduros e colocar lá ao invés da fruta cortada. Também pode pegar coquinhos. Isso tudo vai depender da facilidade de acesso a esse material de onde você mora.Onde você mora tem outros periquitos verdes?O que acha dessas dicas? Se não ajudaram muito, pergunte mais, vamos enriquecer esse espaço e ajudar outras pessoas.Obrigada pela participação!

  3. Anonymous

    Olá Alessandra,Muito obrigada por sua resposta, eu consegui alguns cachos de coquinhos que eles adoraram e devoraram na hora, também alguns galhos com flores, gostaram mais da dama da noite. Abrimos o viveiro que fica dentro de uma sala bem grande no alto da casa e eles começaram a voar cada vez mais alto e mais rápido, fizemos isto para eles fortalecerem a musculatura das asas.Fizeram diversas manobras no ar que nos deixaram bem confiantes em abrir a porta da sala para eles irem embora. Dois deles foram embora e voaram bem alto, e acredito que tenham já se incorporado a outros bandos, no bairro onde eu moro existem dezenas deles pelas árvores.Restou somente 1 agora, que já voa bem, está comendo folhas e flores e um pouquinho de mamão que já reduzi a quantidade mas não tirei totalmente porque não é sempre que consigo os coquinhos e folhas que ele gosta, experimentei algumas que ele não aprovou rsrs, mas ele não vai embora… já saimos no quintal e chamamos, já colocamos galhos saindo de dentro de casa para fora e ele passa bem longe disto. Ele voa bastante e está bem grandinho, mas passa longe das portas e janelas e olha que elas são bem grandes, a sala é toda de portas e janelas de vidro bem ampla e só fechamos a noite para dormir.Acreditamos que ele esteja inseguro, e vamos continuar a estimular a sua saída.Realmente apesar de sentirmos muito amor por ele não temos coragem de mante-lo preso, é muito bonito ver eles soltos pelo bairro fazendo aquele barulho sobre as árvores. Não temos coragem de assustá-lo ou persegui-lo para que saia na força para fora, gostariamos que o processo fosse natural.Gostei muito das suas dicas e agradeço muito a delicadeza de responder o meu e-mail.Caso tenha alguma dica sobre como fazer ele sair naturamente ficaria muito feliz, como já disse não porque não gostamos dele ou pela fiscalização, mas porque acreditamos que ele será mais feliz vivendo em liberdade.Um grande abraço,Rosana

  4. Alessandra Caprara

    ROSANA! Fiquei emocionada com seu comentário! Você não sabe como fico feliz com sucessos como esse!!! Jamais aconselharia você a forçar o que ficou a sair, não seria bom mesmo como intuitivamente você já concluiu! Dê mais um tempo pra ele, caso realmente não saia (não sei a quanto tempo você está esperando), posso sugerir outra coisa sim! Sou homeopata e posso lhe auxiliar, ok?AbraçosSua maior prova de amor com eles foi realmente a liberdade!!!

  5. Anonymous

    Olá,É com lágrimas nos olhos que escrevo estas linhas.Finalmente nosso bichinho criou coragem e se aventurou mundo afora… por conta própria ele resolveu sair. Ficou agora a saudade, as fotos e videos e a certeza que ele está muito feliz em estar em liberdade junto com os da sua espécie.Agradeço muito por sua atenção e conselhos que nos foram muito úteis e espero ter ajudado com meus comentários outras pessoas que passaram pela mesma situação que eu. E a todos eu falo que Deus deu asas tão lindas para as aves que seria um pecado proibir eles de usarem.Um grande abraço,Rosana

  6. grazi

    Olá, gostei muito do seu post e dos comentários! Tenho um amazona amazonica (papagaio do mangue – fêmea) e um pionus menstruus (curica da cabeça azul – macho) legalizados pelo Ibama. Tenho muita preocupação com a alimentação deles e frequentemente faço buscas por novidades na internet, além de cuidado contínuo com a veterinária. Concordo com vc em relação ao uso de ração, embora seja bastante estimulada pelos veterinários, sinto que eles preferem muito mais as comidas frescas e variadas, que tornam a alimentação saborosa e divertida. Se posso dar minha contribuição, como criadora, tenho algumas dicas:
    – minhas aves vivem em um quarto, com poleiros e galhos por todo ambiente para que possam andar e dar pequenos voos. No inverno ficam protegidos do frio e do vento. No calor, tenho um viveiro no quintal com grandes dimensões. Faço a troca dos ambientes com frequência, conforme o sol (Curitiba é uma cidade fria) e desde filhotes eles se acostumaram com isso,por isso não se estressam.
    – passei a cozinhar sementes sem tempero, e automaticamente o interesse deles aumentou. quando era servido cru, não comiam quase nada. cozinho poucos minutos no microondas com água, para que amoleçam superficialmente e sirvo frio (obvio, mas bom explicar). Tenho sempre um pote grande, com sementes misturadas: lentilha, ervilha, grão de bico, feijão branco, soja e milho. Eles adoram! Essa mistura fica tão apetitosa para eles que chegam a preferir ao girassol.
    – sirvo girassol em pouquíssima quantidade, para as brincadeiras, na minha mão, um a um, assim sei quantos servi, pois não podemos dar muitos. como moro em Curitiba e aqui é muito frio, costumo dar um pouco mais para que a alimentação fique mais calórica. Mas nunca é alimentação e sim um pequeno petisco. O mesmo para amendoim, castanhas em geral.
    – sirvo as frutas em tamanhos diferentes, e procuro variar para que não enjoem. procuro colocar a comida em lugares diferentes, para que fiquem em atividade. escondo um pedaço de fruta num canto do quarto ou do viveiro, amarro pedaços em barbante pelos poleiros e eles ficam horas brincando. Milho verde cozido, amarrado na grade ou no poleiro é um excelente passatempo!
    – minhas aves não gostam muito de verdura, faço verdadeiros malabarismos para que comam alguma coisa, tbm uso essa técnica de amarrar folhas e cabinhos em locais variados para que possam ‘descobrir’ e experimentar…
    – segundo conselho da veterinária, eles devem comer uma pequena porção diária de proteína animal. dentre as sugestões estão queijo minas (pedacinho – eles adoram), ovo com casca (meio ovo para cada, eles adoram tbm), um pedaço de carne de frango cozida sem tempero (não comem), ração de gato ou cachorro (nem chegam perto)
    – não esquecer dos banhos de sol, que devem ser de 15 min por dia. Aqui em Curitiba passamos muitos dias sem sol e estou procurando algum lugar onde eu possa comprar lâmpada UVA e UVB para pássaros, se alguém souber me avise, por favor!!
    – em temperaturas abaixo de 18 graus, ligar aquecedor
    – protege-los de correntes de ar
    – proporcionar poleiros de diferentes espessuras e texturas, para dar conforto as patinhas
    – fazer exames de fezes e desmirfuga-los periodicamente
    – água deve ser fervida ou potável, água de torneira pode dar vermes!
    – cuidar da higiene das aves, ferver potes, protege-los do contato com as fezes
    – o corte das aves só pode ser feito por um veterinário especializado!!!
    – o sono das aves é sagrado, ao escurecer, proteja-os da luz e de ruídos, nunca acenda a luz quando a ave estiver dormindo
    – não beije sua ave, nós possuímos diversos vírus e bactérias que fazem mal a eles
    – jamais dê café, leite, biscoito, marrarão, dá até arrepio pensar que muitas aves se alimentam disso!!!
    Por fim, dê muito carinho aos papagaios e outros psitacídeos, que são animais sociais, precisam de companhia e quando sozinhos e entendiados, desenvolvem muitas doenças, como arrancar as próprias penas,uma situação que deve ser muito triste de presenciar.

    Espero ter ajudado!!! Abçs!!

  7. grazi

    uma correção, no lugar de corte das aves, quis dizer corte das ASAS

  8. Alessandra Caprara

    Grazi! Muito obrigada pela sua intervenção! Suas aves são felizes, certamente!!!
    Em relação aos cuidados veterinários, existem outras formas de abordagem. Eu sempre preconizo medicação para o caso de ocorrência do mal. Então, ao invés de vermifugação preventiva, exame de fezes períódicos e tratamento na ocorrência. Legal dar água fervida (melhor que mineral), principalmente porque não se sabe a fonte de água que a pessoa vai usar e a ave não terá escolha, pois uma ave na natureza saberia distinguir “água boa” de “água ruim” (caso ambas estivessem à disposição).
    Já beijar as aves… tudo bem, vai 😉 Podemos compartilhar vírus e bactérias com eles de outras inúmeras formas. O importante é ver se você está fazendo algo que agrada o bicho ou que não agrada.

    Grande abraço e muito obrigada pela participação!

  9. grazi

    Obrigada pelos seus comentários, aprendi mais coisas hoje! Passarei hj mesmo a servir água fervida! um grande abraço!!!!

  10. lucas gabriel

    olá,eu tenho um papagaio verdadeiro e queria saber quanto de ração posso dar diariamente para ele? eu não sei se pode fazer mal muita ração… ME AJUDEM!!

    • Alessandra Caprara

      Lucas, neste caso é interessante você ler o pacote da ração, pois ela deverá conter essas informações de quantidade e frequencia. Isso porque cada ração tem uma concentração de nutrientes própria e não há um padrão de quantidades entre elas. Essa ração que você comprou lhe fornece essas informações?

  11. maria de lurdes

    ola tenho um papagaio estranho pois qdo morava em outra casa ele cantava e assobiava muito , depois q/ mudei à 3 anos não canta mais nem assobia somente chama a gente pelo nome q/ aconteceu fico triste com isso me ajude ok faço ?

    • Alessandra Caprara

      Estranho mesmo, Maria de Lurdes!!! Algo mais mudou na vida dele? Ele não responde aos assovios?

  12. Julio

    Alimentação:

    Frutas: (diariamente) Escolha três da relação abaixo e forneça uma quantidade equivalente a 2 colheres das de sopa de cada fruta:
    maça (sem sementes),
    uva (sem sementes)
    banana,
    laranja (descascada e doce),
    goiaba,
    manga,
    araçá,
    pitanga,
    jabuticaba,
    pêssego,
    pêra,
    mamão,
    melão (com sementes),
    melancia (com sementes),
    kiwi,
    serigüela,
    maracujá,
    acerola,
    roma,
    carambola,
    coco verde
    pinhao
    castanha-do-pará (eventualmente, com casca e sem sal)

    Vegetais: (diariamente) Escolha um dos três (poderão ser presos na gaiola ou serem picados) se for picado,
    aproximadamente o volume de 1/2 copo tipo americano.
    couve,
    brócolis,
    espinafre.

    Legumes: (diariamente) Escolha dois na relação abaixo na mesma quantidade das frutas (duas colheres das de sopa):
    cenoura,
    vagem,
    jiló,
    quiabo,
    abóbora
    beterraba.
    abobrinha
    milho verde

    Graos Cozidos: (diariamente) Para o preparo, lave bem os graos em agua corrente, deixe a quantidade a ser cozida de molho na água, por uma noite, para amolecer.
    No dia seguinte, troque a água e cozinhe numa panela por até 4 minutos.
    Você poderá também cozinhar junto, para ganhar tempo, a beterraba que será usada no meio do dia na salada.
    Basta limpar bem toda a terra com uma escova e mergulhá-la na panela junto com os grãos (lave bem a beterraba antes de cozinhar).
    Após o cozimento, deixe os grãos esfriarem dentro da panela, junto com a mesma água.
    Eles irão estufar mais, absorvendo bastante da água ao redor. Após esfriarem, escorrer em água limpa e servir às aves.
    sorgo,
    linhaça,
    alpiste,
    painço,
    arroz com casca,
    girassol,
    aveia,
    ervilha
    lentilha
    feijão fradinho,
    feijão mulatinho,
    feijão branco (opcional),
    grão de bico
    amendoim (de boa qualidade)

    De 15 em 15 dias cozinhar um ovo de galinha bem cozido deixar esfriar – cortar ao meio – e dar para seu papagaio eles adoram a gema.

    É permitido às vezes dar ao seu papagaio um pedaço de queijo branco tipo queijo minas (RETIRAR LOGO DEPOIS PARA NÃO ESTRAGAR).

    ALIMENTOS PROIBIDOS: ABACATE, MORANGO, ALFACE e AIPIM CRU – SEMENTES DE UVA E MAÇÃ – DOCES – CHOCOLATES

    Fonte: Atualidades Ornitologicas – http://www.ao.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *